Marcha Lula Livre será recebida pela Força Nacional de Segurança

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, autorizou o uso da Força Nacional na Esplanada dos Ministérios durante as manifestações previstas para o mês de agosto de 2018.

De acordo com a portaria publicada nesta segunda-feira (14) no Diário Oficial, a Força Nacional poderá ser usada na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, na defesa dos bens próprios e da União, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília/DF.

http://www.imprensanacional.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/36659318/do1-2018-08-14-portaria-n-121-de-13-de-agosto-de-2018-36659276

A medida é uma resposta aos cerca de 10 mil manifestantes integrantes da Marcha Lula Livre que já se encontram em Brasília para uma grande manifestação na Esplanada dos Ministérios,

pedindo a liberdade do ex-presidente Lula, preso por corrupção no processo do triplex do Guarujá.

15 de agosto é a data-limite no Tribunal Superior Eleitoral para o registro das chapas com os nomes dos candidatos que concorrerão ao Palácio do Planalto.

A manifestação, Em frente ao TSE pretende pressionar o judiciário pela liberdade de Lula, que embora lidere as pesquisas de opinião está impedido de concorrer ás próximas eleições pela Lei da Ficha limpa, uma vez que foi condenado por um colegiado em decisão de um Tribunal de segunda instância (TRF4).

Também no dia 15 o PT pretende registrar o pedido de candidatura de Lula no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), decisão que deve ser conduzida pela nova Presidente ministra Rosa Weber empossada na noite desta 3ª feira (14).

Weber, substituiu o ministro Luiz Fux e estará à frente do tribunal nas eleições de outubro.

Os manifestantes vêm de várias regiões do País e aqui em Brasília irão juntar-se ao protesto de greve de fome pró-Lula, realizado por militantes, em frente ao Supremo Tribunal Federal.

Brasília parou em função da Marcha Lula Livre, as pessoas estão deixando o carro em casa para ir ao trabalho, adiando consultas e reuniões, temendo depredações, a exemplo do que ocorreu em outras manifestações.

Foto: Lula Marques