As revelações de Palocci

A revelação do conteúdo da delação premiada do ex-ministro Antônio Palocci, tornada pública nesta segunda-feira (01/10), pelo juiz  Sérgio Moro, caiu como uma bomba a uma semana da eleição presidencial.

Campanhas do PT custaram o dobro do que foi declarado ao TSE:

A campanha de Dilma em 2014 custou R$ 800 milhões, o dobro do declarado ao TSE. Palocci foi um dos arrecadadores do PT para as campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, desde 2002. Ele revelou que as “prestações regulares registradas no TSE são perfeitas do ponto de vista formal”. “Mas acumulam ilicitudes em quase todos os recursos recebidos”.

Palocci confessa que ao lado dos ex-ministros José Dirceu e Guido Mantega, era um dos responsáveis pela arrecadação de fundos para as campanhas do PT.

Ele também destaca: “Pode citar que as campanhas presidenciais do PT custaram em 2010 e 2014, aproximadamente, 600 e 800 milhões de reais, respectivamente”

Petrobrás

Antônio Palocci revelou como foi a primeira reunião na Biblioteca do Palácio do Alvorada, em 2010 para tratar explicitamente de arrecadação e propina. Segundo o delator, participaram do encontro Lula, Palocci, Dilma Rousseff e José Sérgio Gabrielle, então presidente da Petrobrás.

De acordo com Palocci, Lula pediu a construção de quarenta sondas com o objetivo de “garantir o futuro político do país e do Partido dos Trabalhadores com a eleição de Dilma Rousseff, produzindo-se os navios para exploração do pré-sal e recursos para a campanha que se aproximava”, afirma.

Palocci revela ainda que Lula delegou a ele a gestão dos recursos ilícitos que seriam gerados e a forma como eles seriam usados na campanha de Dilma.

Emendas Parlamentares

Palocci também revelou que das mil medidas provisórias editadas nos quatro governos do PT, pelos menos em novecentas houve irregularidades para gerar propina: “A prática de venda de emendas parlamentares se tornou corriqueira. Há casos em que as Medidas Provisórias já contam com algum vício destinado a atender financiadores específicos e saem do Congresso com a extensão do benefício ilícito a diversos outros grupos privados”, explica.

Advogado de Lula critica liberação de delação

Logo após a liberação da delação do ex-ministro Antônio Palocci, pelo Juiz Sérgio Moro, O advogado de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins divulgou uma nota criticando a liberação do documento. Para Zanin, a conduta adotada pelo juiz “apenas reforça o caráter político dos processos e da condenação injusta imposta ao ex-presidente Lula”.

Para o advogado de Lula, a divulgação da delação de Palocci “tem o nítido objetivo de tentar causar efeitos políticos para Lula e seus aliados, até porque o próprio juiz reconhece que não poderá levar tal depoimento em consideração no julgamento da ação penal”.

A nota também questiona a veracidade dos depoimentos do ex-ministro: “Palocci, por seu turno, mentiu mais uma vez, sem apresentar nenhuma prova, sobre Lula para obter generosos benefícios que vão da redução substancial de sua pena até manutenção de parte substancial dos valores encontrados em suas contas bancárias”, completou.

E você o que acha, Palocci está mentindo?

Com Informações: O Estadão e Jovem Pan