Jair Bolsonaro e o voto feminino

Um vídeo que mostra a estudante Marie Laguerre, sendo assediada e depois agredida por um homem desconhecido em Paris, na França, foi um dos destaques das redes sociais esta semana e está chocando o País.

O vídeo compartilhado pela própria estudante mostra o momento exato em que ela é assediada em frente a uma cafeteria.

A francesa recebeu solidariedade no mundo todo e só no Facebook já foi vista mais de 1 milhão de vezes. Marie também recebeu solidariedade em terras tupiniquins.

Aqui, curiosamente temos um candidato a Presidência da República, o deputado Jair Bolsonaro (PSC/RJ) que ao longo de sua carreira parlamentar tem feito afirmações agressivas às mulheres e curiosamente levará o voto de muitas delas ao argumento de que ele é contra o comunismo e a favor dos valores da família, entre outros.

Vale destacar apenas duas das citações machistas do candidato a Presidência: “Eu tenho cinco filhos. Foram quatro homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher”, afirmou em entrevista. A outra afirmação foi feita em 2014 a sua colega de parlamento, deputada Maria do Rosário (PT/RS), que em acalorado debate no plenário da Câmara dos Deputados, o chamou de estuprador. Bolsonaro respondeu que Maria do Rosário não merecia ser estuprada porque ele a considerava “muito feia” e que a petista não fazia o “tipo” dele.

Em agosto de 2017, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por unanimidade, manteve condenação do deputado Jair Bolsonaro, pelas ofensas dirigidas a parlamentar.

Ele foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ/DF), a pagar uma indenização de R$ 10 mil reais por danos morais e também a retratar-se publicamente em jornais e redes sociais. Bolsonaro recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O assunto não mereceu grande destaque na mídia nem as mulheres se solidarizaram com a parlamentar ofendida, houve até que dissesse que era mais uma questão partidária e que Maria do Rosário provocou.

A violência física sofrida pela estudante francesa ganhou repercussão mundial no momento em que o governo francês pretende alterar a atual legislação e punir assédios de rua com pesadas multas. O movimento ganhou repercussão com a hashtag #BalanceTonPorc algo como denuncie o porco.

No Brasil, na contramão de movimentos mundiais como o # Me Too que denunciou o assédio sofrido por atrizes em Hollywood, temos um candidato condenado em decisão de segunda instância por ter assediado moralmente outra parlamentar, e curiosamente, as pesquisas apontam, que será votado por uma parcela significativa do eleitorado feminino.

crédito: imagem da web