Processos das operações Zelotes, Sépsis e Cui Bono voltam para à 10ª Vara Federal.

O Conselho de Administração do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em sessão ordinária realizada nesta quinta-feira, dia 1, alterou as regras para distribuição e redistribuição de processos decorrentes da transformação da 15ª Vara/DF em vara criminal e da especialização da 12ª Vara/DF para processar e julgar crimes contra o sistema financeiro nacional, de lavagem de dinheiro e aqueles praticados por organizações criminosas.
O colegiado decidiu, por unanimidade, que não deverão ser redistribuídos processos que tiverem audiências e/ou interrogatórios realizados.
Na quarta-feira o Ministério Público Federal no DF solicitou ao Tribunal que os processos criminais envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os ex-deputados Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, além do delator Lúcio Funaro, fossem mantidos na 10ª Vara Federal, comandada pelo juiz federal Vallisney Oliveira. São ações penais decorrentes das operações Zelotes, Sépsis e Cui Bono.
O argumento dos procuradores é de que esses processos estão em fase de conclusão e se a transferência para a 12ª Vara Federal poderia atrasar a tramitação processual, uma vez que os novos juízes teriam que estudar os processos citados, que voltariam à estaca zero.
Com a nova decisão do Tribunal esses processos deverão retornar para a 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília, e continuarão sendo conduzidos pelo juiz Vallisney de Oliveira.
O processo que envolve o ex-presidente Lula da Silva, seu filho Luiz Claudio e um casal de lobistas, investigados por tráfico de influência na compra de caças suecos, na Operação Zelotes, está na fase da oitiva de testemunhas no exterior, por cartas rogatórias, após essa etapa os acusados serão interrogados pelo juiz Vallisney que a seguir proferirá a sentença.
A polêmica começou com a criação da 12ª Vara Federal, especializada em lavagem de dinheiro, criada para agilizar a tramitação de mais de 2,3 mil processos acumulados na 10ª Vara Federal de Brasília.

Crédito: Foto da web