Flávio Bolsonaro diz que intermediou reunião no BNDES para empresário da Covaxin

Vinícius Valfré – Estadão

BRASÍLIA – O senador Flávio Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 25, conhecer o dono da Precisa Medicamentos, Francisco Emerson Maximiano, por meio de “amigos em comum” e que não tem relação comercial com o empresário. Mesmo assim, o filho do presidente Jair Bolsonaro confirmou ter levado Maximiano para uma reunião com o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, em 13 de outubro. O encontro, feito via videoconferência, foi revelado pelo site da revista Veja.

“Conheço o senhor Maximiano de amigos em comum aqui em Brasília, como conheço milhares de pessoas. Mas não tenho absolutamente nenhuma relação comercial, financeira, com o senhor Maximiano”, disse, em vídeo publicado nas redes sociais.

Segundo ele, a reunião tratou sobre um pedido de financiamento para outra empresa de Maximiano, a Xis Internet Fibra. Montezano, do BNDES, é amigo de Flávio.

“O que fiz, sim, foi pedir ao presidente do BNDES para que ouvisse a boa ideia trazida pelo senhor Maximiano para que o BNDES pudesse entender e, quem sabe, dar algum suporte para levar internet para o Norte e para o Nordeste”, disse.

A Precisa está no foco da CPI da Covid. A empresa é a representante no Brasil da Bharat Biotech, farmacêutica indiana contratada para fornecer a vacina Covaxin, contra a covid-19. O contrato é de R$ 1,6 bilhão. As 20 milhões de doses acertadas não foram entregues, e o dinheiro não foi desembolsado.

Maximiano e a Precisa estão sob investigação da CPI após o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda afirmar, em depoimento ao Ministério Público Federal, que sofreu “pressão atípica”, por parte de seus superiores, para agilizar a importação dos imunizantes. Em depoimento à comissão nesta sexta, Ricardo Miranda afirmou que também recebeu telefonema de Francisco Maximiano para tratar das vacinas.

Com informaçoes O Estado de Sâo Paulo